O uso profilático de antimaláricos no COVID-19 pode limitar o fornecimento global de cloroquina e hidroxicloroquina para outras indicações.

Os primeiros resultados clínicos sugerem que os medicamentos antimaláricos cloroquina (CQ) e hidroxicloroquina (HCQ) são promissores para pacientes com pneumonia por COVID-19. Agora eles estão incluídos nas diretrizes chinesas para o gerenciamento do COVID-19.

Experimentos in vitro mostram que a CQ é capaz de bloquear a replicação viral em uma concentração equivalente à alcançável em pacientes que recebem 500 mg / dia. O HCQ também diminui a replicação viral dependente do tempo e da dose. Tanto o CQ quanto a HCQ impedem a replicação viral no estágio inicial. Um estudo recente mostrou que, nas amostras nasofaríngeas, 70% dos pacientes tratados apenas com HCQ e 100% daqueles tratados com HCQ mais azitromicina tinham eliminação viral, em comparação com 12,5% sem HCQ.
Dois ensaios europeus em curso, avaliarão a eficácia do CQ / HCQ na profilaxia do COVID-19 em profissionais de saúde ou de significativo risco.
A administração de drogas em massa de CQ / HCQ é barata e bem tolerada. No entanto, é ético propor esses medicamentos como profilaxia sem base em evidências?
Se a profilaxia em massa for aceita como uma opção em todo o mundo, isso levanta a questão de saber se existe suprimento suficiente de CQ e HCQ para apoiar essa abordagem, potencialmente levando à escassez para aqueles que usam rotineiramente esses medicamentos, como pacientes com doenças reumáticas autoimunes.

 

Referências

Spinelli FR, Ceccarelli F, Di Franco M, Conti F. To consider or not antimalarials as a prophylactic intervention in the SARS-CoV-2 (Covid-19) pandemic . Ann Rheum Dis. Published Online 2 April 2020. doi:10.1136/annrheumdis-2020-217367

 

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *